10 de junho de 2014

Segunda edição do livro “Entre o Filósofo e o Cientista: poderá uma máquina sentir saudade?’ é lançada

Acaba de ser lançada a segunda edição do livro “Entre o Filósofo e o Cientista: poderá uma máquina sentir saudade?” escrito pelos professores Nivaldo Machado  e Gustavo Leal Toledo. A obra, que é fruto das pesquisas realizadas pelo Grupo de Pesquisa em Filosofia da Mente e Ciências Cognitivas, retrata o profícuo diálogo que Filosofia e Ciência têm – e precisam ter – nos dias de hoje. 

De forma instigante e contemporânea, os autores abordam alguns problemas centrais sobre a mente. Conforme Machado, esta segunda edição, além de uma revisão geral, conta o capítulo inédito ‘Como Me Tornei Materialista’ de Gustavo Leal Toledo.

O livro integra a Série Cadernos UNIDAVI e pode ser adquirido pelo e-mail propex@unidavi.edu.br ou editora@unidavi.edu.br.

Confira o prefácio desta segunda edição:

Certamente eu dificilmente iria imaginar que um livro que tratasse de uma temática que, apenas muito recentemente em nosso país começara a despertar o interesse de um público mais diversificado, pudesse chegar a sua segunda edição em tão pouco tempo. O livro Entre o Filósofo e o Cientista: poderá uma máquina sentir saudade? -  teve a colaboração direta do meu amigo e filósofo Gustavo Leal-Toledo. A partir das discussões realizadas em nosso grupo de pesquisa em Filosofia da Mente e Ciências Cognitivas, eu e Gustavo resolvemos elaborar uma obra que conseguisse transitar entre profissionais específicos da área, bem com, atender a curiosidade de pessoas que tivessem certa afinidade com a temática geral. Assim,  tentamos  elaborar capítulos que expusessem as diversas áreas abordadas, todavia, sem nos esquivarmos de, em diversos momentos,  apresentar indagações e críticas que entendemos ser convenientes. Desse modo, o livro possui a característica de permitir uma interlocução instigante de embates entre os leitores com posturas intelectuais diversas das dos autores.

Agora na segunda edição fizemos uma revisão geral e acrescemos o capítulo: Como Me Tornei Materialista – em que com uma linguagem não técnica, mas bastante preocupada em termos argumentativos, Gustavo Leal- Toledo nos presenteia com um texto intrigante, instigante e que irá apimentar ainda mais os debates já muito calorosos ao longo dos anos entre adeptos de posturas materialistas e dualistas. De modo amplo o livro percorre temáticas centrais em discussões da Filosofia da Mente e de áreas afins como as Ciências Cognitivas, Neurofilosofia, Neurociências, Robótica, Inteligência Artificial, Psicologia Evolucionária, dentre outras. O livro também tem a peculiaridade de poder ser lido com certa independência entre seus capítulos, desse modo, o leitor que não se interessar pelo conteúdo de um determinado capítulo, poderá simplesmente, abdicar de sua leitura, sem prejuízo algum para o entendimento do texto de seu interesse. Outro aspecto que gostaríamos de evidenciar neste momento é que nos últimos anos um número crescente de filósofos e cientistas (de modo mais específico aqui falando do tratamento das questões gerais que envolvem o problema Mente-Cérebro) estão aproximando seus fazeres de modo a propiciar um significativo avanço e melhora na qualidade das investigações e no resultado dos trabalhos realizados. Deixamos claro aqui que somos simpatizantes de um aproximar entre o trabalho filosófico com o trabalho científico e tecnológico. Deste aproximar, além da desmistificação do hiato existente entre estes fazeres, entendemos ser também uma fonte muito proveitosa de novas questões a serem tratadas, bem como, de novos tratamentos para antigas questões que ainda perduram ao longo da história. A todos uma boa leitura e esperamos sempre ser fomento de novos trabalhos e críticas.

Vou ter sempre algum defeito, Já perdi a esperança. Pelo homem eu fui feito À sua imagem e semelhança (música O Robô – Toquinho).


Por Nivaldo Machado

4 comentários:

  1. Parabéns Nivaldo Machado e Gustavo Leal Toledo!!!

    ResponderExcluir
  2. Obra extremamente interessante. De importância fundamental para os membros do Grupo de Pesquisa e demais acadêmicos/pesquisadores que tem como linha de pesquisa a filosofia da mente.
    Destaco o belo trabalho na redação do conteúdo, proporcionando uma leitura leve, com uma gama de exemplos e problemáticas que instigam a leitura. O livro proporciona à sociedade tomar conhecimento daquilo que foi o principal objeto de estudo das maiores mentes, e que ainda é motivo de discussões e impasses.
    Parabéns aos autores, é realmente gratificante participar de um Grupo de Pesquisa com pesquisadores de tamanho nível.

    ResponderExcluir
  3. “ Sorrir e chorar”, será que as saudades humanas despertam e demonstram sentimentos assim? É claro que sim. Será que a tecnologia científica irá retirar estas emoções de nossos robôs e passaremos a não termos mais esta diversão, que é tão inerente a espécie humana?
    “Vou ter sempre algum defeito” trecho retirado da música, O robô - toquinho. Talvez aqui possamos aprender mais, com este mundo pós-humano, ansiosos esperando pelo início do show. Eu sou um adepto a tecnologia e ao convívio, com estes seres de veias de metal, para, quem sabe, muitos de nós, desenvolvermos aptidões mais elevadas, enquanto pessoas que somos.
    O livro traz os grandes nomes dentro da filosofia da mente, e é claro Gustavo Leal-Toledo que completa a obra com nosso orientador do Grupo de Pesquisas, Nivaldo Machado. De fácil leitura, o livro, permite um entendimento claro do assunto, embora, com todas as complexidades, que, o decorrer das¬ épocas, escreve e mostra, em um dos mais debatidos assuntos da historia .

    Edson Stofela

    ResponderExcluir
  4. Natalia Zimmermann18 de junho de 2014 16:19

    Mais uma incrível obra publicada por estes excelentes professores! Tenho orgulho de fazer parte de um grupo de pesquisa que prioriza tanto a publicação de obras que venham a formar uma base sólida para inquéritos e reflexões científicas, filosóficas e, por que não, epistemológicas.
    O livro ficou muito bem formulado e seguiu os mesmos passos de outras obras do gênero, como por exemplo "Interfaces da Filosofia Contemporânea" e "Direito e Justiça: Reflexões", as quais tive oportunidade de ler anteriormente. É direto e preciso, tanto em matéria de estética quanto em seu conteúdo, que, como foi ressaltado, apesar de complexo é de fácil compreensão. Isso pode ser de grande ajuda, visto que consegue atingir uma grande gama de apreciadores, desde os estudiosos da área até os leigos (que, ainda que leiam com objetivos e reflexões não tão categóricos, ainda assim pelo menos demonstram interesse e a busca pelo saber).
    Iniciei a leitura e ela já me intrigou... Mal posso esperar para ver o que os capítulos seguintes trazem! E, mais uma vez, agradeço ao Prof. Dr. Nivaldo Machado pelo fácil acesso aos exemplares!

    ResponderExcluir

Bem-vindo à discussão!