16 de julho de 2014

A INCOMPLETUDE EXPLICATIVA DO MATERIALISMO*

Marcus Vinicius de Matos Escobar

No que se refere às teorias da mente, o materialismo [1], também chamado “fisicalismo”, sustenta a tese de que estados mentais são ou idênticos a entidades ou propriedades físicas, ou fundamentalmente realizados por entidades ou propriedades físicas (KIM, 1999). Essa tese enfrenta uma dificuldade básica, pois, por haver um abismo conceitual entre o que se diz sobre o mental e o que se diz sobre o físico, torna-se possível conceber essas instâncias como ontologicamente díspares. Este desencontro conceitual acaba por originar severas objeções antimaterialistas inspiradas em intuições cartesianas que evidenciam a insuficiência do vocabulário materialista para fornecer um tratamento satisfatório ao aspecto qualitativo dos estados mentais. Diante disso, entrarão em pauta algumas propostas materialistas em torno desse problema, com destaque para o reducionismo e o funcionalismo. Serão também examinadas objeções a essas propostas, bem como as limitações dessas objeções. Finalmente, o texto buscará algumas alternativas no intuito de mostrar que o materialismo ainda persiste como posição defensável, a despeito de suas limitações conceituais.





Artigo publicado em COGNITIO-ESTUDOS: Revista Eletrônica de Filosofia, ISSN 1809-8428, São Paulo: CEP/PUC-SP, vol. 11, nº. 1, janeiro-junho, 2014, p. 24-33

[1] A despeito de algumas sutilezas que distinguem os significados de “materialismo” e “fisicalismo”,
nesse texto essas expressões serão usadas como sinônimas

6 comentários:

  1. Recomendo a leitura.... Claro, inteligente e instigante!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Nivaldo! Críticas também são bem vindas...

    ResponderExcluir
  3. Marcus Vinicius,
    Nota-se claramente a sofisticação e complexidade de seu trabalho!
    Além do mais o tema é extremamente pertinente as questões atuais referentes ao físico e ao mental!
    Foi possível notar importantes lacunas deixadas pelo materialismo que enquanto leigos no assunto deixamos passar despercebidas, e você conseguiu ressaltá-las muito bem!!!

    Excelente trabalho! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Cara Natanna,
    Fico muito grato por suas palavras. Que bom que tenha gostado do texto.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Natalia Zimmermann22 de julho de 2014 17:45

    Realmente, um texto de altíssima qualidade e que se encaixa perfeitamente nas propostas de raciocínio abordadas dentro deste grupo de pesquisa. Meus parabéns a Marcus Vinicius pela redação de um material deste nível! Gostei da clareza com que os fatos foram expostos, especialmente em relação as problemas e relações conceituais de Kripke no segundo tópico, que posso eleger como o que mais me chamou a atenção.
    Aproveito também para elogiar essa iniciativa de buscar novas publicações, para que seja possível sempre inovar e buscar diferentes temas e autores, tornando assim os trabalhos deste grpo de pesquisa cada vez mais amplos e universais.

    ResponderExcluir
  6. Marcus Vinicius de Matos Escobar23 de julho de 2014 21:20

    Prezada Natalia,

    Fico muito honrado com tão gentis comentários! Não sei se os mereço, mas agradeço assim mesmo.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Bem-vindo à discussão!